-- Comportamento

A vida após os 30 ou 40 anos

A responsa de escrever para um público diferenciado aqui no Clube dos Caras ao lado de dois caras feras é grande, por isso resolvi tirar aquele vinho da geladeira com a rolha umedecida e tomar uns goles para dar uma relaxada.

E falando em vinho, ter um aberto na geladeira há algum tempo não é um bom sinal. Tudo bem que não bebo com frequência, mas por outro lado poderia significar que estou comemorando pouco ou relaxando menos que deveria.

Devido aos compromissos do cotidiano, confesso que agora voltei a viver melhor e aproveitar mais a vida, coisa que eu não fazia há uns bons anos. Parece piegas esse lance de aproveitar a vida, como se estivesse correndo atrás de algum prejuízo, porém não é bem por aí. Quem já passou dos trinta ou quarenta anos sabe que a cobrança da vida é muito maior, vem toda aquela preocupação da estabilidade financeira, carreira de sucesso e por ai vai…

Voltando ao assunto de aproveitar melhor a vida, acabo de voltar da Praia do Rosa, litoral de Santa Catarina, reduto de gente com DNA acima da media, belas paisagens, bons restaurantes, bares e festas lotadas regadas a bebida numa mão e Gudang Garam na outra. Para quem não curte festas, o “centrinho fica lotado de gente subindo e descendo as ruas, com aquele clima de interior e sensação de segurança que a gente não sente mais no litoral de São Paulo.

O lugar é propicio também para pegar onda de dia e mulher a noite ou, para elas, sol de dia e rapazes a noite. Mas também tem aqueles(as) que como eu, fica no canto observando tudo e achando que a vida pertence mesmo é a essa moçada dos vinte e poucos anos, que curte mais a vida sem toda essa carga que a vida vai nos colocando depois dos quarenta e poucos.

Mas talvez a graça da vida seja justamente essa, viver todas as fases com os prós e contras que elas oferecem, sem cair na tentativa desesperada de viver fora da realidade, de interromper de maneira fantasiosa o fluxo natural do amadurecimento, o que podemos chamar também da Crise dos 40.

Vivendo ou não a crise dos 40, hoje eu sou muito menos sair pegando e muito mais ter alguém para sempre. É muito menos sair flertando e muito mais olhar para uma pessoa só que te entenda sem dizer nenhuma palavra.

E como disse Nelson Rodrigues, “O homem começa a ser homem depois dos instintos e contra os instintos”.

Boa semana a todos!

Os conteúdos dos artigos publicados são de inteira responsabilidade do(s) autor(es), não refletindo, necessariamente, a opinião do corpo ou do conselho editorial do blog.