Home / - / Na pele e/ou no papel, a arte que conquista os brasileiros é a japonesa

Na pele e/ou no papel, a arte que conquista os brasileiros é a japonesa

O que era sinônimo de rebeldia, hoje é visto com bons olhos pela maioria dos brasileiros. A tatuagem conquistou geral e não existe mais aquele papo de “a tribo da tatuagem”. Costumo brincar que os “diferentes” são os não tatuados.

Por conhecer e ter amizade com vários tatuadores, ela está presente em minha vida bem antes de estar na pele. Tenho um bom exemplo dentro de casa, meu irmão Felipe Brunelli é representante fiel da arte que engloba à tatuagem japonesa e que de tanto estudar, transformou o seu hobby em trabalho admirado em todo o mundo.

Conheça um pouco sobre o trabalho de Felipe Brunelli:

1 – Quando e como se interessou sobre a cultura japonesa?

A cultura Japonesa sempre esteve presente em minha vida, começou por conta de séries e desenhos que passavam na extinta Rede Manchete, como: Jaspion, Jiraya, CyberCop, Cavaleiros do Zodíaco, etc…Já sobre tattoos e pinturas, comecei a pesquisar algo que pudesse cobrir uma antiga tattoo que tinha na perna, nisso descobri o Irezumi (Tradicional Tatuagem Japonesa), de cara me apaixonei ,fiz a cobertura da minha antiga tatuagem e com isso comecei a rabiscar e a desenhar. As minhas pinturas são temas usados nas tatuagens; logo, são totalmente ligadas.

 

2 – Explique um pouco sobre o seu trabalho e essa arte.

Meu trabalho vem de muito estudo e carinho, tenho como base a Pintura e a Xilogravura Tradicional Japonesa (ukyio-e) e a tatuagem tradicional (Irezumi). Tento ao máximo respeitar a história que foi representada pelo nome de grandes Mestres como Hokusai e Kuniyoshi na pintura e Horihide, Horiyoshi III, etc na tatuagem.

As pinturas são retratadas a partir de lendas, paisagens, animais e heróis Japoneses. Antes de fazer algum trabalho, faço uma pesquisa sobre os elementos envolvidos (existem muitas “regrinhas” nesse tipo de trabalho, como: alguns personagens que são representados com uma certa espécie de flor, significados diferentes no mesmo tema, etc…) e passo para o papel, primeiro com lápis, depois nanquim (preto e cinza) e por último a tinta colorida. Muitos deles faço por encomenda, o cliente me passa a ideia e a partir dali desenvolvo o trabalho todo. O legal é que alguns nem mesmo escolhem um tema, apenas querem um trabalho feito por mim, me deixando cada vez mais a vontade em criar e escolher temas que nunca pintei. Todo esse processo é um aprendizado para o meu próximo passo, começar a tatuar! 

 

3 – Como é ter na pele essa arte? Fale um pouco sobre a sua tatuagem e o processo.

A tatuagem vai além de estética para mim, ela estando em meu corpo sinto como se não estivesse deixando a tradição da tatuagem Japonesa morrer.

Comecei a me tatuar com o Cacau Horihana em 2013, hoje já tenho cerca de 35% do corpo tatuado. É algo que se deve paciência, equilíbrio e resistência. Dói, dói MUITO em certos lugares, mas isso faz parte, creio que precisamos de sacrifícios para alcançarmos algo que desejamos tanto.

Minha tatuagem tem um tema só: são Leões conhecidos como Karajishi, são guardiões representando força, coragem e proteção. Acompanhando os leões tenho flores peônias, representando prosperidade.

4 – É um arte em ascensão no Brasil?

Eu diria que sim, o Irezumi é muito bem representado pelos tatuadores Brasileiros, nomes como Ivan Szazi (não é Brasileiro, mas mora há mto tempo aqui), Rico Daruma, Cacau Horihana, Artur Fame, Caio e Thomas Piñeiro, Vinicius Lima, Rodrigo Digo, Deneka Horiden entre muitos outros, são referências para tatuadores e pintores do mundo todo (me incluo neles, pois esses nomes também são base para meus trabalhos).

 

5 – Vejo que o público brasileiro adora dragões e carpas, mas existem outros “personagens” que fazem parte do folclore japonês. Quais você mais gosta?

Brasileiro tem um pouco de preguiça de pesquisar sobre a sua tatuagem, tudo é moda, tudo é estética, tudo tem que ser aceito pela massa. Eu adoro carpas e dragões, mas existem ZILHÕES de coisas, além disso, nos temas de tattoo Japonesa. Esse tipo de coisa ainda precisa ser implementada por aqui, não por culpa dos tatuadores e sim dos clientes. A diversidade e riqueza que existem nos temas da tattoo japonesa, não existem em nenhum outro estilo de tattoo. Portanto, minha dica sempre será: Se não sabe o desenho que quer tatuar, converse com o profissional e leve a sua idéia e objetivo, com certeza um TATUADOR ADEQUADO saberá como representar com um tema Japonês, seja ele com um herói, uma divindade, um animal, uma mulher japonesa(muitas vezes as Gueixas) ou até mesmo apenas com flores.

Eu sou fã dos animais, gosto muito dos que estão nas lendas: Karajishi, Kirin, Hakutaku, Dragão. Mas não descarto os bravos Heróis, fantasmas, flores, mascaras, etc… <3

Recentemente fui convidado para participar de um livro que será lançado na Suécia, é um grande projeto e conta com grandes tatuadores de todo o mundo (que inclusive são referências para mim). Jamais pensei em participar de algo tão grandioso, já que o desenho e a pintura começaram como uma brincadeira em minha vida, depois disso virou hobby e hoje conto como meu trabalho com muito orgulho. 

 

www.instagram.com/fe_brunelli

www.facebook.com/felipebrunellijapanesepaintings 

Sobre Clube dos Caras

Clube dos Caras

Veja Também

O que te faz falta?

Acho que se  alguém te perguntar “o que te faz falta?”, sua resposta poderia ser …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *