-- Comportamento

O peso do amor

Vivemos uma nova fase onde o peso do amor deixou as relações mais frágeis.

Se antes o casamento era mantido pelo “O que Deus uniu o homem não separa”, a dependência financeira da mulher, a sociedade e filhos, hoje o que mantém uma relação se não o amor?

Essa estrutura antiga do casamento “até que a morte nos separe” foi romantizada há poucos séculos e, a expressão se casar por interesse” caiu de moda e ninguém ousa mais casar a não ser por amor. Não que nossos pais e avós desconhecessem o significado desse sentimento, mas o que mantinha a união era algo longe disso.

Se por um lado as relações atualmente são mais honestas, por outro acabaram por serem mais líquidas e condenadas ao fracasso.

Tem que amar, tem que ter sexo, tem que viajar, tem que admirar, tem que ter uma porção de felicidades e sobra pouco espaço para lidar com os dias ruins.

Nada hoje em dia é motivo para segurar uma relação que não anda bem, o mundo lá fora está cheio de gente feliz nas redes sociais, aplicativos na palma da mão com inúmeras possibilidades sem sair de casa, e para que ficar enfiado num casamento onde nada é mais motivo para viver de aparências?

E qual o preço dessa liberdade? Estamos mais felizes ou mais sozinhos?

Ouvi uma vez uma frase que me marcou muito: “Se for casar, escolha alguém com quem você goste de conversar”.

Talvez esse seja o segredo das relações antigas serem mais duradouras. Passamos a ser mais imediatistas, egoístas, intolerantes e, como um sapato a gente vai lá e troca.

O amor tem que ser mais simples, mais paciente, e esperar  que seus olhos ainda mudem de cor mesmo acordando ao lado da mesma pessoa depois de tantos anos.

Os conteúdos dos artigos publicados são de inteira responsabilidade do(s) autor(es), não refletindo, necessariamente, a opinião do corpo ou do conselho editorial do blog.