Home / - / Quando o Marketing fala mais alto que a esportividade

Quando o Marketing fala mais alto que a esportividade

No esporte e, principalmente no futebol, as assessorias de comunicação e marketing tem se sobressaído , transformando o comportamento natural de atletas, treinadores e dirigentes, num bolo de frases preparadas e politicamente corretas.

Domingo, 29 de julho, intervalo do Fantástico, na Rede Globo, entra no ar um filme publicitário, que tem como protagonista o camisa 10 da Seleção Brasileira e do PSG, Neymar Jr.  Nessa peça publicitária ( https://www.youtube.com/watch?v=lJRjk0SGcqQ)  , Neymar expressa um texto explicativo (sic!) e de uma narrativa claramente preparada para as duras críticas que recebeu durante a Copa da Rússia, quando foi acusado de simular quedas e choques mais duros dos adversários. Virou meme na internet. E usou uma peça publicitária de um dos seus maiores patrocinadores para se justificar… Pegou mal.

Muita gente ficou indignada – inclusive eu, que sou fã confesso do craque em campo – pela forma como ele se explicou ao seu público, e torcedor.

Neymar deixou a Copa da Rússia sem dar uma entrevista sequer após a derrota para a Bélgica, nas quartas-de-final. Calou-se. Esquivou-se da imprensa e dos torcedores. O maior ídolo do futebol tupiniquim simplesmente se negou a falar sobre a derrota brasileira – e explicá-la. E, cerca de 20 dias depois, tenta fazê-lo através de uma publicidade de seu patrocinador. Monetizou para se explicar!

 

E claramente isso é obra de estratégias (nem sempre corretas) de um staff que acompanha o craque e tantos outros atletas e personagens do esporte.

Seria a melhor forma de conduzir a carreira e a imagem do atleta? Acho isso altamente questionável!

Que saudades das entrevistas espontâneas, sem  tanto back drop com patrocinadores ao fundo e, muitas vezes, até nos vestiários.  Os personagens do jogo eram mais livres e falavam sem “fakes”. Ali o cara era ele mesmo. 

As assessorias de imprensa dos clubes ou particulares melhoraram e organizaram uma parte do processo? Sim, sem dúvida. Mas também, em algumas situações,  começaram a travar as informações e a liberdade das entrevistas.

E quando o marqueteiro entra mais em campo que o personagem principal então, nem se fale. Criam um “ser” que não existe. Manipulam a imagem conforme o interesse de um patrocínio, por exemplo.

Mas na era da tecnologia e da internet, a velocidade da divulgação é diretamente proporcional a da reação das pessoas. E elas estão mais críticas, o que tem causado impacto em redes sociais.

Portanto, há de se ter muito cuidado com a criação marqueteira de personalidades.

Muitas vezes, o tiro dado pode sair pela culatra.

 

Sobre Clube dos Caras

Clube dos Caras

Veja Também

O FRIO CHEGOU, O QUE USAREMOS? O QUE FAREMOS?

O FRIO CHEGOU, O QUE USAREMOS? O QUE FAREMOS? Hoje vamos de dicas pra galera …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *