Beer

Hospitalidade e Serviço em tempos de Pandemia

O Covid-19 trouxe um novo desafio para o universo do bar. Para além dos desafios financeiros que o Lockdown nos impôs, a saudade do balcão foi unânime para quem gosta de uma boa cerveja acompanhada de um bom papo. Com o retorno dos bares e restaurantes junto às medidas restritivas de segurança, como manter o bom serviço de hospitalidade e sommelieria adaptados ao modelo permitido neste momento?

E não estamos aqui falando de regras chatas, afinal é tudo sobre cerveja. Que antes das análises complexas, precisa trazer ao consumidor a experiência. É ela que vai garantir que seja prazeroso cada momento entre o olhar para aquele copo bem servido até o gole que será levado na boca e apreciado

Encontrar neste momento bons rótulos e com um valor acessível é fundamental no retorno do público e, mesmo que o nosso querido balcão ainda não esteja liberado, é possível reproduzir o sentimento do happy hour que remete à memórias saudosas que todos estão carregando. 

Tornar a experiência acessível neste momento passa inicialmente por uma escolha importante que é montar uma carta de cervejas com preços que acolham o momento da economia. As cervejas artesanais por si só, já passam por um falso paradigma de que são um produto mais caro do que os rótulos mainstream. Este perfil de cervejas mudou muito nos últimos anos, com um desenvolvimento da indústria nacional e a produção local de excelentes rótulos.  E ainda o crescimento das importações e a produção nacional de rótulos de grandes cervejarias gringas, permitiram ao mercado ter preços bem competitivos quando analisamos estilos bases e de maior consumo. Claro, como todo produto, existe um gama de rótulos com receitas de insumos mais caros ou produções restritas e exclusivas. O que não significa que toda boa experiência no mundo das artesanais, precise pesar no bolso. 

E aqui o sommelier tem um papel muito importante auxiliando na escolha dos rótulos que digam sobre o ambiente, o som e o cardápio do lugar, permitindo que essa escolha seja simples e acessível para quem procura este local. É como um guia, que nos conduz entre histórias, aromas e sabores à novas descobertas ou antigas paixões, sempre tentando proporcionar a melhor experiência para o cliente.

Como transmitir essas sensações através de máscaras, luvas e álcool em gel? Como transpor a distância necessária? 

Um grande auxílio neste cuidado, foi trazer alguns dos serviços para o digital, mesmo que o online ainda cause estranheza para uma parte das pessoas, algumas situações podem tornar o conteúdo e a informação disponíveis de forma fácil e interativa. Fazendo com que o cliente se sinta à vontade para se aventurar nas escolhas de um universo amplo, já que ele tem na palma da mão informações e imagens para o auxiliarem. A equipe especializada continua sendo essencial, mas o auxílio da tecnologia complementa o trabalho do sommelier e abre inúmeras possibilidades de interação entre o cliente, o bar, a equipe e o produto.

Algo que a máscara não esconde é o olhar que também sorri e acolhe, que deixa as regras mais leves, que torna a experiência prazerosa em todos os sentidos para quem escolhe neste momento delicado sair um pouco do mundo de distâncias.

Os conteúdos dos artigos publicados são de inteira responsabilidade do(s) autor(es), não refletindo, necessariamente, a opinião do corpo ou do conselho editorial do blog.
Guilherme Rossi

Guilherme Rossi

Guilherme Rossi é advogado, empresário, sommelier de cervejas e mestre
em estilos, vice campeão brasileiro em 2015 no campeonato brasileiro de
sommelier de cerveja. Fez parte da delegação brasileira no Beer
Sommelier World Championship 2015 e 2017 na Alemanha. Nível 2 em
Destilados pela Wine Spirits Education Trust de Londres.

Comentar

Clique para comentar